domingo, 29 de maio de 2011

Ataque à liberdade de expressão: Dono de distribuidora faz ameaças veladas a donos de bancas de Jundiaí

Carta é enviada a jornaleiros logo após reportagens polêmicas da Folha do Japi

Clique na imagem para ler a carta
- Redação Folha do Japi

Uma carta intimidadora aos donos de banca de Jundiaí, assinada pelo proprietário da principal distribuidora de jornais e revistas da cidade, a Distribuidora Paulista de Jornais e Revistas, causa polêmica na cidade.

Durante a semana passada, circulou por toda a cidade um aviso aos jornaleiros, repleto de ameaças veladas (confira a íntegra da carta à direita).

Citando “panfletos e jornais de cunho político” feitos para “atacar, caluniar e até ofender” e orientando para que não distribuam material com este perfil, o autor da carta, Paulo Lazarini, prega “cuidado com meios de informação para que não causem prejuízos aos negócios da categoria”. Ele lembra, também, que há “uma expectativa de melhoria na lei das bancas e que as bancas ficam em espaços públicos com alvará a título precário”, insinuando que podem ser retiradas a pela Prefeitura.

Estranhamente, a carta intimidadora foi divulgada logo após a imensa repercussão de manchetes da Folha do Japi que comparava a tarifa dos ônibus urbanos de Jundiaí com os de 27 capitais do país e a que antecipava o aumento da tarifa em Jundiaí, provocando muito debate na cidade. O jornal, atualmente, é um dos mais solicitados nas bancas, justamente pela postura imparcial que mostrou.

Considerado por muitos jundiaienses o único jornal independente da atual administração na cidade, a Folha do Japi não agrada aos atuais governantes, acostumados com a postura mais subserviente da imprensa local. Tal fato pode ter sido o propulsor para manifestações de medo e opressão como sugere a carta.

O autor do aviso, no entanto, nega que o conteúdo do texto tenha qualquer relação com o jornal. “Não falei da Folha do Japi e minha carta não foi ameaçadora. Apenas orientei”, nega Lazarini.

O episódio teve grande repercussão na internet, principalmente no facebook, onde foram travadas acaloradas discussões sobre o tema.

Um comentário:

Anônimo disse...

Espero que vcs não baixem a guarda. Essa carta é um absurdo!